Deficiência Auditiva

Venezuelanos são presos suspeitos de obrigarem surdos a pedir dinheiro nas ruas do Rio

Venezuelanos são presos suspeitos de obrigarem surdos a pedir dinheiro nas ruas do Rio

Um casal de venezuelanos está sendo investigado por tráfico internacional de pessoas surdas. Eles foram detidos em flagrante no último dia 13.

De acordo com as investigações, Argelia Del Pilar Silva Jimenez e Dionel Gregório Acosta Perez possuíam um esquema no qual traziam estrangeiros de seu próprio país para o Rio, e aqui os mantinham em condição análoga à escravidão. O casal também é deficiente auditivo.

Segundo as investigações, o casal de venezuelanos captava as pessoas com a mesma condição que eles em seu país de origem com a promessa de emprego no Brasil.

Quando chegavam aqui, obrigavam os estrangeiros a mendigar nas ruas para custearem o valor gasto com a vinda deles para o Rio e suas despesas na cidade. A Polícia Civil estima que os venezuelanos conseguiam arrecadar por volta de  R$ 500 por dia.

O casal de venezuelanos foi preso nessa quarta durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão pela DEAT na casa onde eles moravam, no Grajaú, Zona Norte do Rio. No local, os policiais encontraram passaportes, outros documentos e cartões dos estrangeiros vítimas do casal. Também foram encontrados centenas de folhetos que eram distribuídos pelos surdos-mudos nas ruas.

Somos venezuelanos e sofremos problemas graves. Estou doente e meu país passa por uma grave crise. A fome se alastrou por todo território venezuelano”, dizia um dos folhetos.

Na casa, havia uma venezuelana que foi trazida para o Rio pelo casal. A polícia estima que outros quatro estrangeiros também fossem mantidos na residência, mas eles não estavam no local.

As investigações da polícia indicam que o casal de venezuelanos apreendia os passaportes, documentos e cartões de suas vítimas obrigando-os a pedir dinheiro durante o dia. Eles só podiam retornar a casa mantida pela dupla no Grajaú quando obtivessem a quantia diária estipulada por eles.

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Fonte:https://extra.globo.com


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar