Atividades FísicasCrianças EspeciaisInclusão SocialSíndrome de Down

Nadadora mexicana com síndrome de Down ganha 250 medalhas


A nadadora mexicana com síndrome de Down, Yaroslavi Romero, alcança 250 medalhas.

Quando Yaroslavi Romero nasceu, ela foi diagnosticada com síndrome de Down. E sua condição nada a impediu de conquistar  250 medalhas de natação. As últimas conquistas, uma de prata e uma de bronze, foram nos Jogos Olímpicos Especiais, de Abu Dhabi, neste ano.

A esportista tem 37 anos e compete na categoria U04. A medalha de prata ela conquistou na disputa de 1.500 metros em mar aberto, em parceria com Adriana Moreno e  mais tarde, em sozinha, ele conseguiu o bronze nos 800 metros de nado livre.

O início

Seu primeiro contato com a água foi quando ela foi levada para delinferoterapia o extinto Aquário da Floresta de San Juan de Aragón, no México.

Delinferoterapia  é  uma técnica que consiste na interação do ser humano com golfinhos (geralmente da espécie bottlenose), onde um terapeuta também intervém; através do qual tentamos melhorar a qualidade de vida de crianças e adultos que sofrem graves problemas de saúde, especialmente doenças crônicas e psicológicas.

No Brasil, não há registro da existência dessa terapia.

Atualmente ela treina na piscina olímpica Ceforma, na prefeitura de Tlalpan, do CDMX.

As conquistas

Yaroslavi  gostou muito da competição. Segundo ela o mar é lindo.

Quando ela ouviu a palavra medalha ficou muito feliz. “Tenho muitas medalhas”, disse Yaroslavi

Adriana Moreno, 45 anos e  Yaroslavi se conhecem há mais de 25 anos, porque o marido de Adriana treinou Yaroslavi anos atrás. Hoje, Yaroslavi tem outro treinador.

Finalmente, em janeiro de 2018, ela propôs ser sua parceira de natação, para longas distâncias.

Segundo Adriana, a medalha significa muito, mas mais é a conquista que ela obteve, (isso) é muito maior.

Maria de Lourdes López Hernández, mãe de Yaroslavi, está muito feliz com o resultado de Abu Dhabi. Tudo isso é o resultado de uma luta de 37 anos com terapias, esforços, disciplina e cansaço.

Segundo Maria, às vezes, o nadador tem que se sacrificar momentos de diversão para se concentrar em seus objetivos. No entanto, ela aprendeu com treinadores que a natação pode ser um grande prazer.

Para a mãe o importante é que ela aprecie e curta o que está fazendo, que ela se divirta ao nadar que não seja algo obrigatório mas sim divertido.

A superação

Para a mãe, as medalhas são um sinal do caminho percorrido, dos obstáculos superados. Uma vez disseram para Maria que Yaroslavi não seria nada e não faria nada. Mas hoje, ela prova a todos que disseram isso que estavam enganados. Que as 250 medalhas conquistadas pela sua filha são resultado de muito esforço e realização.

Por sua vez, o técnico  que lida com todos os detalhes do treinamento e se sente transbordando de conformidade, compartilhou que “é uma satisfação incrível. A verdade, eu amo o resultado “.

Para ir para a Special Olympics World Games Abu Dhabi 2019 seu técnico Víctor Jiménez,, ajustou seus treinos para três por semana na piscina olímpica Ceforma, duas horas cada, e nos finais de semana  os treinos de longa distância para nadar contra o rio Las Estacas e em Tequesquitengo em Morelos; na barragem de San Luis Taxhimay, no estado do México, bem como em Puerto Marqués, em Acapulco, Guerrero.

Além de nadadora, Yeroslavi tem formação técnica no ambiente de trabalho e é certificada com conhecimento em panificação pela Câmara Nacional da Indústria de Panificação e Similar do México (Canainpa).

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Tradução livre: Equipe Crianças Especiais

Fonte: https://noticieros.televisa.com



Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar