Deficiência IntelectualEntretenimentoInclusão SocialSíndrome de Down

Drag queens com síndrome de down estão quebrando estereótipos

Drag Queens são exóticas e chamam a atenção de todos a sua volta. Tanto pelos figurinos, os brilhos, as músicas, a paixão pela arte que fazem. A maioria das pessoas quando pensa, e, Drag Queens se lembram do filme Priscila, a Rainha do Deserto ou do programa de TV, “Drag Race do RuPaul, uma das maiores e mais conhecidas Drag Queen.

Na história das Drag Queens, vemos como elas evoluiram e mudaram ao longo do tempo. Ser Drag é um conceito mais complexo do que pensamos, pois um homem ou uma mulher, independentemente de serem de gênero ou trans, podem ser Drag Queen, mesmo com elementos masculinos ou femininos; trata-se de tirar incorporar o gênero e reconstruí-lo para o que o artista lhe dá significado. Para este novo grupo chamado Síndrome de Drag, foi algo semelhante.

Esse grupo é formado por artistas com síndrome de down e vem da Inglaterra.

View this post on Instagram

Otto Baxter at Drag Syndrome

A post shared by Damien Frost (@harmonyhalo) on

A síndrome de Drag é o primeiro grupo de artistas com síndrome de Down. O grupo com sede no Reino Unido começou em março de 2018 porque o coreógrafo Daniel Vais queria dar às pessoas com deficiência intelectual uma plataforma para atuar. A empresa, composta pelas rainhas Lady Francesca (Francis), Horrora Shebang (Otto) e Gaia Callas (Danny) e o rei Justin Bond (Ruby), trabalha com outras rainhas para dar vida aos seus shows.

Os membros do grupo, juntamente com Vais, têm uma paixão pelo trabalho que realizam. Vais disse ao The Mighty que ele queria criar um lugar para reunir esses talentos em um formato de transição que já desafia as expectativas e os estereótipos. “Quando as pessoas nos veem se apresentando, reconhecem o imenso talento à sua frente e o entretenimento de alta qualidade dos artistas”. Ele disse que o fato de os artistas terem síndrome de Down é apenas um bônus a mais. Vais acrescentou.

O que é a síndrome de Drag?

A Síndrome de Drag é sobre talento, criatividade e liberdade de expressão. É arte, é teatro, é divertido. Pessoas com síndrome de Down têm cromossomo extra para se destacar nas artes, na cultura e em qualquer outro lugar.

Seu trabalho não vem sem críticas. Em um vídeo recente para a BBC, o grupo disse que a atenção que a síndrome de Drag recebeu vem com muitas críticas e mensagens de ódio. As pessoas disseram que é explorador as pessoas com síndrome de Down participarem da cena com Drags. Os artistas da Síndrome de Drag vêem isso de maneira diferente. “Gaia não é uma personagem, mas ela faz parte de mim“, disse Gaia Callas.

Justin Bond acrescentou: “Se você tem um problema com esse amigo, não deveria estar aqui“.

View this post on Instagram

Miss Gaia Callas at Drag Syndrome

A post shared by Damien Frost (@harmonyhalo) on

Vais disse que a resposta à síndrome de Drag também mostra por si mesma. “Sabemos como agitar as multidões, em todos os shows a resposta é eletrizante”, disse Vais. Depois de um show em Londres, Vais disse que o gerente de segurança do palco parabenizou a empresa por seu ótimo desempenho, dizendo que foi uma das coisas mais encorajadoras que ele já experimentou.

Foi um momento muito especial”, disse Vais. “No final das contas, é a cultura que conecta todos nós.” Vais disse que, através de suas performances, a Síndrome de Drag espera mostrar aos outros que as pessoas com síndrome de Down são criativas, dedicadas, profissionais e que podem atender a altos padrões e grandes multidões.

View this post on Instagram

We’re coming out for you #dragsyndrome

A post shared by Drag Syndrome (@dragsyndrome) on

Vais disse que, para quem quer atuar como Drag, o primeiro passo é ser criativo e brincar com idéias de fantasias, música, maquiagem e experimentá-lo. Ele sugere assistir a shows de drag e entrar em contato com uma rainha local para obter conselhos.

A quebra de esteriótipos

Esse grupo veio para quebrar  esteriótipos, primeiramente de que pessoas com deficiência intelectual não podem escolher o que desejarem fazer, e o preconceito contra os Drag Queens.

Além de quebrar os estereótipos, a Síndrome de Drag espera inspirar outros jovens com Síndrome de Down a encontrar o que amam e não ter medo de fazê-lo. Encontre sua paixão, vá buscá-la“, disse Horrora Shebang. Viva o seu sonho, você pode fazer o que quiser, pode ser qualquer um, apenas vá lá.”

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Fonte: https://elclosetlgbt.com acessado em 17/05/2020

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar