Com a chegada do Dia Internacional  da Síndrome de Down comemorado no próximo 21 de março, vale a pena falarmos sobre esse assunto.

A data foi escolhida especialmente pela quantida de material cromossômico. As pessoas que possuem a síndrome em vez de 2 cromossomos 21, elas possuem 3. (21/3)

Pela desinformação por parte da população, muitas pessoas acham que a síndrome de Down é uma doença. Informações totalmente incorreta. Sindrome de Down é uma alteração genética no DNA, diferente de uma doença que necessita de uma cura.

Falar que uma pessoa é portadora, ou colocar nomes ou apelidos a síndrome pode ser visto com maus olhos pelas famílias, sempre tome cuidado, pois uma criança com síndrome de Doew é igual a qualquer outra criança e deve ser tratada como tal. Independentemente da dificuldade intelectual de uma criança com síndrome de Down, ela tem suas qualidades e condições de ter uma vida totalmente normal.

As características físicas de uma pessoa com síndrome de Down são:

– Cabelos: Finos e lisos.

-Pés: Separação grande entre primeiro e o segundo dedo.

-Boca: Céu da boca mais encurvado com menor número de dentes, pode até acontecer de colocar a língua para fora.

-Cabeça: Achatada na parte traseira.

-Nariz: Pequeno e achatado.

-Pescoço: Contém muita gordura na parte da nuca.

-Hipotonia muscular.

-Olhos puxados.

-Orelhas pequenas, e se encontram abaixo da linha dos olhos.

-Mãos com linha única, maior dobra do quinto dedo.

A questão da alimentação de crianças com síndrome de Down

Vale a pena destacar esse ponto, pois é devidamente necessário uma alimentação de qualidade para estas crianças, devido a hipotonia que deixa os músculos moles e perda da sua força muscular, podendo assim levar a um atraso constante no desenvolvimento motor comparado ao padrão normal, isso leva em conta a muitos órgãos como o intestino que sua variação em pessoas com síndrome é menor e força reduzida na digestão de alimentos, com isso, a pessoa gasta menos energia e absorve bastante, por isso, é muito evidente presenciar crianças a terem uma tendência maior à prisão de ventre e ao excesso de peso.

As terapias como melhor aliado

Terapia ocupacional, fonoaudiologia, fisioterapia e pediatria, todos são muito importantes para maior desenvolvimento no processo de autopercepção da síndrome, o que facilita na autonomia, visão, tato, olfato, por meio de brincadeiras, práticas que explorem os sentidos sensoriais, música e um englobamento de atividades diárias.

Há apenas 20 anos atrás, a educação inclusiva já era aplicada em muitas escolas públicas e privadas, a independência e mercado de trabalho para estas pessoas com síndrome de Down, é possível sim, apesar de alguns pais acharem que seus filhos com síndrome de down não ter ideias equivocadas e achar que eles não têm capacidade de se preparar para o futuro, como ter uma vida estudantil e de também trabalharem, mas depende exclusivamente da vocação, das oportunidades e vontade própria, nessa questão de empregabilidade, a empresa vai tratar esta pessoa com síndrome como qualquer outro funcionário, terá que cumprir horários e ter responsabilidade, mas é um ambiente totalmente acessível para qualquer pessoa com síndrome de Down, basta manter o foco e autonomia. 

Nessa data, vale a pena chamarmos a atenção para a causa.

Deixe-nos saber o que você achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Fonte: Revista Pais e Filhos

Imagem: reprodução Instagram Nick – autorizado pela família


Síndrome de Down não é doença!

Post navegação


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *