Inclusão SocialNovas Tecnologias

Robô colabora no desenvolvimento de habilidades sociais de crianças com autismo

O robô que recebeu o nome de Kiwi foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia.

Uma das maiores dificuldades de crianças com o autismo é a interação social, comunicação e comportamento.

Dessa maneira, o aprendizado de novas habilidades torna-se um grande passo, que não costuma ser muito bem trabalhado nas escolas tradicionais. Ao saber dos obstáculos enfrentados por esse grupo, pesquisadores desenvolveram o Kiwi, um pequeno robô de aprendizado personalizado para crianças com autismo.

O estudo

O estudo é de uma  equipe da Universidade do Sul da Califórnia (USC)  que instalou o “robô socialmente assistente” na residência de 17 crianças autistas, para saber se conseguiriam medir o interesse demonstrado por uma criança para uma determinada tarefa.

A pesquisa durou um mês. Os robôs ficou na cada dessas crianças que participaram do estudo. Elas foram desafiadas com jogos de matemática de temas especiais em um  tablet, enquanto o Kiwi fornecia feedback e instruções. Como dar dicas após uma resposta errada ou parabenizá-las por um acerto.

Conforme as lições avançavam, os algoritmos ajustavam o feedback do robô e a dificuldade dos jogos para cada criança, de acordo com suas necessidades individuais. Para adaptá-las, o aparelho usava aprendizado de máquina.

Os resultados

Após um mês, os cientistas analisaram os dados obtidos sobre o envolvimento dos participantes e notaram que o robô teve 90% de precisão em detectar o interesse da criança.

Isso foi comprovado com uma série de dados como posição da cabeça, desempenho na tarefa, contato visual com o Kiwi e tom de voz. No final do estudo, todas as crianças obtiveram melhora em suas habilidades matemáticas, e 92% delas tiveram avanços positivos na capacidade social. Os resultados da pesquisa foram publicados nas revistas  Frontiers in Robotics and AI  e  Science Robotics .

Entretanto, o auxílio dado por robôs a crianças autistas já era objeto de estudo. Segundo os pesquisadores da USC, isso é mais eficaz se o robô puder reagir ao comportamento de cada criança, algo difícil para a maioria dos sistemas robóticos.

Se você pensar em um ambiente de aprendizado real, o professor aprenderá coisas sobre a criança e aprenderá com ela”, afirmou Shomik Jain, principal autor do estudo. “É um processo bidirecional e isso não acontece com os sistemas robóticos atuais. Este estudo tem como objetivo tornar os robôs mais inteligentes, entendendo o comportamento da criança e respondendo a ele em tempo real“.

Todavia, esse método de ensino poderia ser mais eficiente que os cuidados humanos, visto que não depende de locais e horários, mas os críticos da metodologia temem que esses benefícios possam também se tornar um risco.

Contraponto

Os métodos com inteligência artificial não podem e não devem ser usados como substitutos mais baratos para o tratamento com médicos humanos”  disse ,por meio de um comunicado, Alena Buyx, professora de ética em medicina e tecnologias da saúde da Universidade Técnica de Munique

Os terapeutas humanos são cruciais, mas nem sempre estão disponíveis ou acessíveis para as famílias”, explicou Kartik Mahajan, coautor do estudo. “É aí que entram robôs socialmente assistentes como esse“.

Fonte: Olhar Digital


Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar