Um projeto em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul tem usado a prática de skate como ferramenta de inclusão social e esportiva para crianças e jovens com deficiência.

O projeto Skate Anima, realizado pelo Stúdio Neuro Fisioterapia, faz com que crianças e jovens com necessidades especiais possam praticar skate adaptado.

De acordo com o fisioterapeuta e criador da iniciativa, Stevan Pinto, a ideia surgiu após o pedido de uma paciente de 12 anos, que queria praticar o esporte radical. O profissional disse que “sim” e cumpriu sua palavra, só não sonhava que isso o motivaria a criar algo bem maior, o projeto voluntário “SkateAnima”, que ajuda crianças com deficiência a realizarem essa prática radical.

A partir de então, Stevan começou a estudar técnicas e modos de tornar o skate acessível a mais crianças.

Segundo o fisioterapeuta, a prática propicia a autonomia de crianças, adolescentes e adultos com deficiência física, auditiva, visual, intelectual ou múltipla. Há adaptações para cada condição.

O projeto tem o objetivo de adaptar e desenvolver métodos para que crianças com algum tipo de deficiência possam andar de skate. Stevan já usava o objeto como recurso terapêutico em sua clínica, a Studio Neuro, pois com ele é possível trabalhar o equilíbrio mesmo que a criança esteja sentada. “Eu acredito que na fisioterapia precisamos ter um papel motivador, principalmente quando trabalhamos com crianças. Precisamos envolver a parte lúdica nesse processo, só assim fazemos com que elas tenham vontade de fazer os exercícios”, expõe.

Skate para todos

O skate desde que surgiu é considerado um esporte radical para qualquer criança. Imagina então para crianças com alguma deficiência?  Algumas pessoas acham praticamente impossível. Mãs não é. Por meio do projeto Skate Anima todas as crianças e jovens podem andar de skate.Os skates são adaptados de acordo com a deficiência da pessoa. Dessa forma, crianças com mobilidade reduzida também têm potencial para desenvolver outras práticas esportivas e que não precisam ficar limitadas.

Para conseguir fazer as adaptações, o fisioterapeuta realiza oficinas para, junto com os pais, criar os mecanismos necessários para colocar a criança em cima desse objeto de quatro rodas. “Se ela usa um andador adaptado, por exemplo, e fora isso não consegue mantar as pernas muito abertas, pensamos juntos com os pais, que sabem melhor que ninguém das limitações do filho. O que podemos criar que seja funcional para aquela criança”, explica o especialista.

Adaptações são necessárias

Quase todos os participantes precisam de adaptação para fixar os pés no skate, para isso, são usados vários tipo de materiais como banda elástica, pedaços de borracha e itens recicláveis, como lona de pneu. Além disso, alguns pequenos também precisam do apoio de um andador para se manterem em pé.

Na verdade, cada caso é um caso, já que no projeto não há restrições crianças com qualquer tipo de deficiência podem participar. Seja lesão medular, lesão genética, problema auditivo, de visão, condição como a síndrome de down, entre outros. A maioria dos participantes, entretanto, foi diagnosticada com paralisia cerebral.

“A paralisia causa alteração no tônus muscular comprometendo a parte motora e isso varia, podendo ser nos membros inferiores, apenas em um lado do corpo ou também nos quatro membros. A deficiência cognitiva, diferente dos que muitos pensam, não está sempre associada à paralisia cerebral, às vezes, só a parte motora é afetada”, fala Stevan.

Alegria dos alunos

Nos vídes e fotos publicados pelo Studio Neuro Fisioterapia nas redes sociais fica claro a alegria das crianças em participarem desse projeto.

Projetos como esse devem ser divulgados sempre. Porque nossas crianças e jovens especiais têm o direito de se divertirem como quiserem. E se existem ferramentas adaptativas para tanto, elas devem ser divulgadas.

Parabéns Equipe do Skate Anima, o projeto de vocês é  maravilhoso. Esperamos que ele possa chegar em todos os estados da federação.

O projeto é tão interessante que um dos vídeos do projeto foi compartilhado nas redes sociais de uma das maiores lendas skateno mundo, Tony Hawk.

 

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

 

Fonte: https://delas.ig.com.br/

Projeto utiliza o skate adaptado como ferramenta para inclusão

Post navegação


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *