Síndrome de Down

Premiação internacional tem como destaque garotas com síndrome de Down


Com apenas 15 anos, Georgia Furlan é uma adolescente que cresceu influenciada pelas redes sociais. Além de ser modelo, Geórgia já fez curso de teatro e canto, mas revela que o que mais gosta de fazer é patinar.

Com mais de 80 mil seguidores no Instagram, a jovem catarinense é destaque internacional como modelo.

A garota já participou de programas de TV como o Encontro, com Fátima Bernardes, já foi notícia em grandes veículos de comunicação nacional e internacional.

Mas neste momento Georgia foi para a final de uma grande premiação internacional. Ela está concorrendo na categoria “rising star”, traduzindo: estrela em ascenção” do Prêmio Social Awards Global 2019,  que ocorrerá em Praga no final de maio.

Para votar em Georgia acesse: aqui

https://www.instagram.com/p/BvU2kSvgzGL/?utm_source=ig_web_button_share_sheet

Cadastrada em cinco agências de modelos do Rio de Janeiro e São Paulo. A jovem fez em 2018 sua primeira campanha com cachê para uma marca de roupas. Ela estrelou também a campanha de designer de joias de alto padrão. A carreira e as redes sociais são administradas pela mãe, Rúbia Traebert.

O sucesso de Geórgia começou há cerca de três anos, quando a mãe postou no Facebook algumas fotos junto à filha com mensagens motivacionais.

As imagens dela viralizaram,  inclusive na página Crianças Especiais, a maior página do Facebook, com quase 3 milhões de seguidores por todo o mundo. A página visa o compartilhamento de fotos, vídeos e notícias sobre o mundo especial.

Geórgia foi diagnosticada com síndrome de Down ao nascer. A menina que sempre se achou linda e gosta muito de posar na frente das câmeras está na iminência de mais uma grande conquista.

Outras digital influencers

Na mesma premiação, a modelo internacional Madeleine Stuart que é a única modelo da Austrália, com síndrome de Down. Além disso, ela é a primeira super modelo com síndrome de Down a desfilar na Semana de Moda de Nova Iorque (Fashion Week), nos Estados Unidos. Ela concorre também mas na categoria “Social Impact and change” traduzindo: impacto social e mudanças.

Outra concorrente que merece destaque é Micah Jones. Uma garotinha com autismo e síndrome de Down, que concorreu na mesma categoria que Georgia, mas não foi classificada para a final.

Finalmente, saber que nossa crianças especiais estão a cada dia que passa conquistando seu espaço faz com nosso coração se encha de alegria. E esperamos de coração a vitória dessas duas garotas.

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Matéria autoral: Autorizada a reprodução desde que citada a fonte e colocado o link da matéria.

 



Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar