Bebê nascido com suas pernas unidas, falece tragicamente, após quatro horas de seu nascimento, impossibilitando os médicos identificarem seu sexo.

O supreendente parto aconteceu na Índia, o nascimento do segundo “bebê sereia” nascido naquele país, mas infelizmente o bebê veio a óbito, apenas após quatro horas do seu nascimento.

Segundo os médicos que o trataram, o sexo do bebê não pôde ser identificado, devido à sua pelve não ter sido desenvolvida e suas pernas estarem unidas, como se fosse uma cauda. O bebê sofria sofria de uma condição genética rara conhecida como sirenomelia ou “síndrome da sereia”.

Entenda o caso

A mãe do bebê, a indiana, Muskura Bibi, de 23 anos, deu à luz naturalmente, em dezembro de 2017, no Hospital Chittaranjan Deva Sadan, administrado pelo governo local em Kolkata, leste da Índia.

Bibi não tinha condições de fazer exames durante a gravidez, portanto, só soube sobre a condição rara do seu bebê quando o viu pela primeira vez depois de dar à luz.

O Dr. Sudip Saha, especialista em crianças do hospital, que atendeu o bebê, relatou que os pais são um casal de trabalhadores que não procuraram tratamento médico adequado durante a gravidez devido à falta de recursos. A mãe durante a gravidez não fez nenhum tipo de pré-natal e nenhuma ultrassonografia, que poderia ter apontado o problema.

De acordo com o especialista, a falta de nutrição adequada e circulação sanguínea imprópria para o bebê da mãe poderia ter ocasionado esse tipo de condição rara.  É o primeiro caso de Sirenomelia  no estado e segundo no país.

O bebê tinha formação normal na parte superior do corpo, mas abaixo da cintura suas pernas estavam unidas, não desenvolvendo a parte inferior do seu corpo normalmente.

 

Falta de nutrição adequada e circulação sanguínea imprópria para o bebê da mãe pode criar esse tipo de anormalidade no feto. Infelizmente esses bebês não sobrevivem.

Outros casos

Em 2016, uma mulher de Uttar Pradeash, norte da Índia, deu à luz o primeiro “bebê sereia” do país, que sobreviveu por apenas 10 minutos.

A historiadora médica Lindsey Fitzharris, que tem um PhD da Universidade de Oxford, disse anteriormente ao jornal inglês MailOnline que essa condição ocorre quando o cordão umbilical não consegue formar duas artérias. Como resultado, há um suprimento insuficiente de sangue atingindo o feto.

Segundo a Dra Fitzharris: ‘Sirenomelia é extremamente fatal.

Na maioria dos casos os bêbes vem a óbito nos primeiros momentos de vida, pois podem apresentar complicações em seus órgãos internos.

Porém, há alguns casos que os bebês conseguem viver até o final da infância, como o caso da garotinha Shiloh Pepin, que viveu até os seus 10 anos, ela não possuia órgãos genitais e apenas um dos seus rins funcionavam. Em nenhum momento de sua curta vida, Shiloh quis fazer a cirirgia para separar sua pernas.

Sirenomelia

Sirenomelia, também conhecida como síndrome da sereia, é uma condição extremamente rara que causa fusão parcial ou completa das pernas.

Ela afeta um entre 60.000 e 100.000 nascimentos.

Sofredores também podem ter complicações gastrointestinais e falta de rins, ou subdesenvolvidos.

Sua causa é desconhecida.

A maioria dos pacientes morre como recém-nascidos devido a complicações pulmonares e defeitos cardíacos.

Contudo, o tratamento envolve a separação cirúrgica das pernas.

Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.

Fontes: Organização Nacional de Doenças Raras, Correio 24 horas e Daily Mail

Imagens: Caters News Agency


Mãe dá à luz a uma “sereia” da vida real


Post navegação


2 pensamentos “Mãe dá à luz a uma “sereia” da vida real

  1. Sinto falta de textos bem elaborados, como os de jornais impressos dos anos 90. As informações dos jornalistas atuais, blogueiros, são vagas, com pensamentos mal organizados dentro do texto.

    1. Respeito a sua opinião, nosso site está aberto às criticas, e somos democráticas, trabalhamos com afinco para fornecer o maior número de matérias com qualidade, porém se o nosso portal não está te agradando, fique a vontade para buscar informações em outras fontes de notícia. Estamos a disposição para quaisquer esclarecimentos e sugestões acerca de nossas matérias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *