Um menino, de nove anos, com autismo foi ameaçado com lixeira, pela coordenadora pedagógica, no estado de Sergipe, no município de Nossa Senhora do Socorro.

Entenda a história

No primeiro vídeo pode ser visto o garoto autista em crise, chorando muito, ainda de mochila, sentado no chão dentro da sala de aula, sendo ameaçado pela professora com uma lixeira verde.

O comportamento da coordenadora pedagógica foi atípico de um educador. Ela ameaça o garoto com uma lixeira e na sequência diz aos outros alunos da classe para  ignorar o menino, fingindo que ele não existia, a coordenadora continuou dando aula dizendo  “é só ignorar ele e fingir que ele não existe”.

No outro vídeo é possível ver a criança bem agitada em um canto da sala, onde ela ainda o ameaça com um sapato.

Os vídeos causaram muita revolta na população. Os vídeos foram gravados e compartilhados pelos próprios alunos. 

Por fim, administração escolar já teve ciência dos vídeos e informou que providências foram tomadas. A coordenadora foi afastada e um processo administrativo foi instaurado. 

Veja o vídeo:

http://recordtv.r7.com/sp-no-ar/videos/coordenadora-pedagogica-ameaca-aluno-autista-com-lixeira-06022019

Deixe-nos saber o que você achou, porque sua opinião é muito importante para nós. 

Fonte: Record TV/ R7 


Aluno autista é ameaçado com uma lixeira pela coordenadora pedagógica

Post navegação


8 pensamentos “Aluno autista é ameaçado com uma lixeira pela coordenadora pedagógica

  1. Essas pessoas não tem capacidade nenhuma de trabalhar com nenhum tipo de crianças principalmente com uma criança como essa mas infelizmente é o país Brasil onde não se tem amor carinho e respeito pelo próximo infelizmente

  2. Ela deveria estar dentro da lixeira e não segurando ela. Quem não existe é essa criatura sem alma sem coração. Criança a gente cuida acolhe, principalmente nos primeiros dias de aula.

  3. Acho que só afasta lá é pouco ,ela deveria ser processada , já que ela se comportou coma um monstro,se alguém maltra se meu filho , jogaria ela na cadeia por maus tratos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *