Doenças RarasSíndrome de Down

Mãe falece após nascimento de bebê com síndrome de Down e pai cuida sozinho dele


Mãe falece 5 dias após o parto e pai cuida sozinho de bebê com síndrome de “Não vou medir esforços”

Eduardo Corte comemorou no último dia 11 dia dos pais e um mês de nascimento de seu bebê, em Florianópolis, no estado de Santa Catarina..

Entretanto, diante de tudo que aconteceu, sua comemoração foi incompleta.

Tudo porque sua esposa Gizelly faleceu 5 dias após o parto do pequeno Arthur. Hoje, o autônomo encara os desafios da paternidade sozinho. E o que motiva a continuar é o amor e a sua dedicação para criar o filho, que tem síndrome de Down.

O casal se conheceu em uma festa e em quatro meses estavam morando juntos. No Natal, descobriram que seriam pais.

Porém, o destino os surpreendeu. Cinco dias após o nascimento de Arthur, Gizelly veio a falecer em razão da síndrome HELLP, uma complicação grave e rara causada pelo aumento da pressão arterial no final da gravidez.

Síndrome de Hellp

Síndrome de Hellp é pouco conhecida e de difícil diagnóstico, que pode causar a morte da mãe e também do bebê. É chamada de síndrome porque envolve um conjunto de sinais e sintomas, e hellp, em razão da abreviação dos termos em inglês que querem dizer: H: hemólise (fragmentação das células do sangue); EL: elevação das enzimas hepáticas, e LP: baixa contagem de plaquetas. É importante lembrar que as plaquetas são células que auxiliam na coagulação sanguínea, e por isso um dos sintomas dessa síndrome é a hemorragia.

Futuro

Contudo, o pai se adapta ao dia a dia com o bebê. Com a ajuda das redes sociais ele recebe ajuda e ensinamentos sobre cuidados com o bebê. O menino lhe dá forças para continuar em frente.

Por fim, segundo Eduardo, a vida agora é um dia após o outro, mas ela já está fazendo metas daqui um ano. Ele já sabe que crianças com síndrome de Down demoram a andar, mas ele fará o possível, com muito amor e esforço para que seja antes.

Cada vez que ele tá bem eu sei que tá dando certo, nós estamos no caminho certo, que não vai ter mudanças. Um elo entre o pai e o filho“, finaliza Eduardo.
Deixe-nos saber o que achou, porque sua opinião é muito importante para nós.
Fonte:G1


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar